Incerteza e gastos públicos: uma análise a partir de um modelo variáveis interativas

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.52292/j.estudecon.2023.2731

Palabras clave:

Teoria pós-keynesiana, Incerteza bancária, Gastos públicos, Dados em painel, Pós-Keynesianismo

Resumen

À luz da teoria pós-keynesiana, o propósito deste estudo foi determinar como os gastos públicos influenciam no impacto da incerteza bancária –avaliada pela preferência pela liquidez dos bancos–sobre o desempenho econômico das microrregiões brasileiras. Para tanto, empregou-se um modelo de painel de dados com variáveis interativas para o período de 2003 a 2014. Como variáveis de gastos, utilizaram-se despesas agregadas municipais em educação e transporte. Os resultados indicam que os gastos públicos são relevantes para determinar o nível de atividade econômica de forma direta e indireta, ao reduzir o impacto adverso da incerteza bancária sobre o desempenho econômico das microrregiões. Ademais, para determinar o produto, os gastos com educação se mostraram mais eficazes do que os gastos com transporte.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Abitante, K. G. (2007). Desigualdade no Brasil: Um estudo sobre convergência de renda. Pesquisa & Debate, 18(2),155-169. Disponível em http://revistas.pucsp.br/rpe/article/view/11801

Andrade, C. (2009). Crédito e Crescimento Econômico: Uma análise da relevância dos tipos de crédito no Brasil, (Dissertação de Mestrado). Centro de Desenvolvimento e planejamento Regional de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Araújo, V. L. (2012). Preferência pela liquidez dos bancos públicos no ciclo de expansão do crédito no Brasil: 2003-2010. (Ipea, Texto para discussão No. 1717). Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/1235/1/TD_1717.pdf

Arellano, M. & Bover, O. (1995). Another look at the instrumental variable estimation of error components models. Journal of Econometrics, 68(1), 29-51.doi: 10.1016/0304-4076(94)01642-D

Baltagi, B. H. & Ping. X. W. (1999). Unequally spaced panel data regressions with AR (1) disturbances. Econometric Theory, 15(6), 814-823. doi: 10.1017/S0266466699156020

Barreto, R. C. S; Almeida, E. & Lima, J. (2010). Convergência espacial do PIB per capita no estado do Ceará. Revista de Economia, 36(3), 25-40. Disponível em https://revistas.ufpr.br/economia/article/view/14594

Bemerguy, C. & Luporini, V. (2006). Desenvolvimento Financeiro e Desigualdade de Renda: Evidência para o Caso Brasileiro. (UFF, Texto para Discussão No. 207). Brasil: Universidade Federal Fluminense.

Carvalho, F. C. (1999). On bank’s liquidity preference. In: P. Davidson & J. Kregel (ed.). Full employment and price stability in a global economy. Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Carvalho, F. J. C. de; Souza, F. E. P. de; Sicsú, J; Paula, L. F. R. de & Studart, R. (2007) Economia Monetária e Financeira: teoria e política. Rio de Janeiro: Editora Campus, Elsevier.

Chick, V. (1994). A evolução do sistema bancário e a teoria da poupança, do investimento e dos juros. Ensaios FEE, 15(1) 9-23. Disponível em https://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/view/1663

Chick, V. & Dow, S. (1998). A Post-Keynesian perspective on the relation between banking and regional development, In: P. Arestis (coord). Post-Keynesian Monetary Economics: New Approaches to Financial Modelling. (pp. 219-250). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Cochrane, D. & Orcutt, G. (1949). Application of least squares regression to relationships containing auto correlated error terms. Journal of the American Statistical Association, 44(245), 32-61. doi: 10.2307/2280349

Crocco, M.; Nogueira, M.; Andrade, C. & Diniz, G. (2011). O Estudo do Gap Regional de Crédito e seus Determinantes sob uma ótica Pós-keynesiana. Economia, 12(2), 281-307. Disponível em http://www.anpec.org.br/revista/vol12/vol12n2p281_307.pdf

Davidson, P. (2002). Financial Markets, Money, and the Real World. Northampton: Edward Elgar Publishing.

Degenhart, L; Vogt, M; & Zonatto, V. C. da S. (2016). Influência dos gastos públicos no crescimento econômico dos municípios da Região Sudeste do Brasil, REGE - Revista de Gestão, 23(3), 233–245. doi: https://doi.org/10.1016/j.rege.2016.06.005

Divino, J. A & Júnior, R. L. S. da S. (2012). Composição dos gastos públicos e crescimento econômico dos municípios brasileiros. Revista Economia, 13(3), 507-528. Disponível em http://www.anpec.org.br/revista/vol13/vol13n3ap507_528.pdf

Dow, S. (1987). Money and Regional Development, Studies in Political Economy, 23(23), 74-94. doi:10.1080/19187033.1987.11675566

Dow, S.C. (1993). Money and the economic process. Aldershot: Edward Elgar Publishing.

Dow, S.C. (1996). Horizontalism: a critique. Cambridge Journal of Economics, London, 20(4), 497-508. https://doi.org/10.1093/oxfordjournals.cje.a013629

Dow, S. & Rodriguez-Fuentes, C. (2010). EMU and the regional impact of monetary policy. Regional Studies, 37(9), 969-980. doi:10.1080/0034340032000143959

Ferreira Júnior, R. R. & Sorgato, L. (2014). Vazamento de crédito no Nordeste e uma proposta de sistema de financiamento local: o caso de Alagoas. Economia Política do Desenvolvimento, 1(1), 33 63. doi: https://doi.org/10.28998/repd.v1i1.87

Figueiredo, A. T. L. (2009). O papel da moeda nas teorias de desenvolvimento desigual: uma abordagem pós-keynesiana. Análise Econômica (UFRGS), 27(52), 185-200.

Freitas, M. (2011). Estratégias concorrenciais e crédito bancário no Brasil no contexto pós-crise. Boletim de Economia, 6, 9-40.

Gama, F; Bastos, S. & Hermeto Camilo de Oliveira, A. M.(2016). Moeda e Crescimento: Uma análise para os municípios Brasileiros (2000 a 2010), Nova Economia, 26(2), 515-551. doi: 10.1590/0103-6351/3624.

Hargens, L. L. (2009). Product-variable models of interaction effects and causal mechanisms. Social Science Research, 38(1), 19-28. doi:10.1016/j.ssresearch.2008.05.003.

Keynes, J. M. (1930). The Applied Theory of Money. In J. Keynes. A Treatise on Money, (v. 2). London: MacMillan.

Keynes, J. M. (1985]1936]. A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda. Brasil: Nova Cultural.

Keynes, J. M. (1980). Activities 1940 – 1944: Shaping the Post-War World – The Clearing Union. (The Collected Writings of John Maynard Keynes, v. XXV). London: Royal Economic Society.

Marioni, L; Vale, V; Perobelli, F. & Freguglia, R. (2016). Uma Aplicação de Regressão Quantílica para Dados em Painel do PIB e do Pronaf. Revista de Economia e Sociologia Rural, 54(2), 221-242. doi: 10.1590/1234.56781806-947900540202

Minsky, H. (1986) Stabilizing an Unstable Economy. New Haven, Connecticut: Yale University Press.

Missio, F. J., Jayme Jr., F. G., & Oliveira, A. M. H. C. de. (2015). Desenvolvimento financeiro e crescimento econômico no Brasil (1995-2004), Análise Econômica, 33(63), 65-74. doi:http://dx.doi.org/10.5380/ret.v6i1.27021

Myrdal, G. (1960). Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros.

Oliveira, G. (2009). Estrutura patrimonial e padrão de rentabilidade dos bancos privados no Brasil (1970-2008): teoria, evidências e peculiaridades”. Acessado em 30/01/2018, disponível em http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/285738.

Freitas, A. P. G., & Paula, L. F. R. (2010). Concentração regional do crédito e consolidação bancária no Brasil: uma análise pós-real. Revista Economia, 11(1), 97-123.

Paula, L. (2006). Bancos e crédito: a abordagem pós keynesiana de preferência pela liquidez. Revista de Economia, 32(2), 81-93.

Quaresma, H. S; Alencar, D. A. & Andrade, W. D. C. (2019). Preferência pela Liquidez dos bancos no Brasil e Crise: uma análise dos determinantes da oferta de crédito. Revista de Economia Mackenzie, 16, 75-96.

Rodriguez-Fuentes, C. J. & López, M. H. (1997). Análisis de diferencias estructurales interregionales determinantes em el impacto de la política monetária. Estudos de economia aplicada, 7(2), 141-157. Disponível em https://www.proquest.com/docview/1961834142

Rodriguez-Fuentes, C.J. & Dow, S.C. (2003). EMU and the regional impact of monetary policy. Regional Studies, Oxford shire, 37(9), 969–980. doi: 10.1080/0034340032000143959

Tada, G. & Araújo, E. (2011). Crédito, Moeda e Desenvolvimento Regional à Luz da Teoria Pós Keynesiana da Não-Neutralidade da Moeda. Trabalho apresentado em XIV Encontro de Economia

Região Sul. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,Brasil.

Vasconcelos, D. (2014) Minsky on big government, Revisita de Economia Politica, 4(1), 15–38. doi: 10.1590/S0101-31572014000100002

Wooldridge, J. M. (2002). Econometric analysis of cross section and panel data. Cambridge: MIT Press.

Publicado

2022-12-28

Cómo citar

Gama, F., & Bastos, S. (2022). Incerteza e gastos públicos: uma análise a partir de um modelo variáveis interativas. Estudios económicos, 40(80), 223–249. https://doi.org/10.52292/j.estudecon.2023.2731

Número

Sección

Artículos